Alguns dos melhores tempos do mundo

91et9k5bqul-_sl1500_

Quem tem espírito competitivo sabe o quanto baixar minutos e segundos nas corridas é importante. Lembro que a primeira vez que corri 5k – na vida – fiz em menos de 30 minutos, e meu namorado disse que era um ótimo tempo para alguém quer estava começando. Claro que me senti o último biscoito do pacote, até começar a entender um pouco melhor sobre tempo e conhecer gente que corre 5k em menos de 16 minutos. Meu mundo caiu (risos).

Inclusive, tempo baixo em corrida é uma coisa que me fascina. Gente, como pode alguém correr uma maratona (42 quilômetros) em pouco mais de duas horas? Isso só prova o quanto nosso corpo suporta muito mais do que imaginamos. É uma máquina fantástica e adaptável, que precisa apenas ser treinada. Pensando nisso, pesquisei alguns melhores tempos da São Silvestre e das maratonas de Berlim e São Paulo.

São Silvestre (15 quilômetros)

Masculino

Paul Tergat (1995) – 43 minutos e 12 segundos

Simon Chemwoyo (1993) – 43 minutos e 20 segundos

Tariku Bekele (2011) – 43 minutos e 35 segundos

 

Feminino

Priscah Jeptoo (2011) – 48 minutos e 48 segundos

Alice Timbilili (2010) – 50 minutos e 19 segundos

Hellen Kimayio (1993) – 50 minutos e 26 segundos

 

Maratona de São Paulo (42. 195 quilômetros)

Masculino

Vanderlei Cordeiro de Lima (2002) – 2 horas, 11 minutos e 19 segundos

Stanley Biwott (2010) – 2 horas, 11 minutos e 21 segundos

 

Feminino

Rumokol Chepkanan (2012) – 2 horas e 31 minutos

Carolina Rotich (2015) – 2 horas e 35 minutos

 

Maratona de Berlim (42. 195 quilômetros)

Masculino

Denis Kimetto (2014) – 2 horas e 2 minutos

Wilson Kipsang (2013) – 2 horas e 3 minutos

 

Feminino

Mizuki Noguchi (2005) – 2 horas, 19 minutos e 12 segundos

Yoko Shibui (2004) – 2 horas, 19 minutos e 41 segundos

Os primeiros 10 quilômetros a gente nunca esquece

FullSizeRenderNo dia 8 de dezembro de 2015 fiz minha primeira prova de 10 quilômetros e fiquei muito feliz. Primeiro porque foi na minha cidade, segundo porque não foi uma prova tão fácil assim, considerando que tem uma puta de uma ladeira (risos) e terceiro, por causa do meu tempo: 55 minutos e 48 segundos.

Antes de começar a correr os iniciais cinco quilômetros, não me imaginava participando de provas e fazendo distâncias maiores. Lembro que a primeira vez que corri de verdade, foi em um dia que um professor da academia reuniu um grupo para correr na rua. Era noite, o percurso – suponho – não tinha mais de 5 Km, e quando retornamos à academia, estava exausta. Mas muito, muito mesmo. Meu rosto deve ter ficado vermelho por quase uma hora. Nesse dia pensei: “Jesus, isso não é para mim”.

Depois disso, demorou um pouco até eu ter uma nova chance de correr. Minha segunda corrida foi com meu namorado, e ele, apaixonado por esporte, logo me puxou para fazer 5 quilômetros, porque menos que isso ele não faz nem a pau (risos). Essa segunda experiência foi bem mais tranquila, mas obviamente também fiquei cansada. Contudo, por querer acompanhá-lo em algumas de suas atividades, comecei a correr sempre, até que as corridas começaram a fluir melhor. Leio e escuto muitas histórias de corredores que eram sedentários e hoje correm ultramaratonas. Acho fantástico. E a bem da verdade, é que a corrida pode ser facilmente incorporada na vida de qualquer pessoa, basta querer e estar com a saúde apta para isso.

Hoje, quando olho para trás, me encho de orgulho de ter continuado a praticar um esporte tão completo e democrático.

Pronada, supinada ou neutra, qual seu tipo de pisada?

Marathon runners on road, low section
Marathon runners on road, low section

Os tênis de corrida são elementos fundamentais na hora de colocar o pé na tábua e é muito comum as pessoas associam a qualidade do tênis ao valor do produto, ou seja, quanto mais caro melhor. No entanto, para identificar se o calçado é adequado, não basta preocupar-se apenas com o preço. A primeira análise que os praticantes de atividades físicas devem fazer é qual o tipo de pisada que têm, para, então, procurar pelo tênis ideal.

O modo como se pisa é determinado a partir das características anatômicas de cada indivíduo, como, por exemplo, os tipos de pé, joelhos e flexibilidade nas articulações. No entanto, ainda que cada pessoa pise de uma maneira, costuma-se generalizar as pisadas em três tipos específicos: neutra, pronada e supinada. Continue reading “Pronada, supinada ou neutra, qual seu tipo de pisada?”

Quem faz a correria

Tamiris Monteiro

Sou jornalista, criadora e editora do “Eu na correria”. A ideia do blog nasceu da paixão em atividades físicas, principalmente a corrida, e depois de participar da prova de 75 Km Bertioga/Maresias, em outubro de 2015. Fiquei tão inspirada em ver pessoas de diferentes idades correrem sozinhas um percurso de 75 quilômetros, que consegui entender o real significado de ultrapassar limites. Apesar de não correr longas distâncias – ainda, porque estou trabalhando para melhorar isso – , o esporte me proporcionou uma vida com mais disposição, amigos e energia;  benefícios que valem muito a pena serem compartilhados.